Mudanças de rumo no mercado e economia do Brasil têm travado todo o setor automotivo

No fim de 2012, a Anfavea projetava que o mercado nacional registraria 5 milhões de emplacamentos em 2017. Essa seria a conta para absorver a então crescente produção de automóveis leves, ônibus e caminhões no Brasil, sem que fosse preciso contar com exportações vultosas.

As novas montadoras que se instalavam por meio de incentivos (e exigências) à fabricação local movimentavam os investimentos no setor. Somadas às expansões das que aqui já estavam, as novas empresas indicavam um cenário animador, em que R$ 12 bilhões seriam investidos anualmente na indústria automotiva.

HC9M0495 SUMARE-SP 25.10.2007 - ((((( EXCLUSIVO / EMBARGADO ))))) ECONOMIA  - HONDA / FABRICA - Linha de montagem dos carros Civic e Fit na nova fabrica de motores que passaram a ser feitos no Brasil. FOTO:  FILIPE ARAUJO/AE

Descompasso

O dinheiro veio e elevou a capacidade instalada para os atuais 4,7 milhões de unidades. Mas o mercado parou.

Esse descompasso se deve a agendas incongruentes. O setor automotivo faz movimentos calculados, com prazos sempre superiores a cinco anos. As decisões avaliam cenários futuros de longo prazo: uma fábrica que começará a operar em 2018 já estipulou o planejamento de produtos até, no mínimo, 2023. Tudo baseado em estudos que envolvem mercado, previsão de estabilidade política, crescimento do PIB etc.

Contudo, as decisões que envolveram o governo nesse período foram açodadas.

As múltiplas desonerações do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), o bloqueio aos importados por meio de sobretaxa, o programa Inovar-Auto, entre outras, foram medidas que poderiam ter um efeito benéfico de longo prazo caso estabelecidas em cronogramas bem definidos e sem mudanças ao longo do percurso.

A indústria automotiva, acostumada a benesses concedidas ao longo de 60 anos de industrialização, mantém discurso ponderado por meio de suas entidades. Não foram poucas as vezes em que bateu à porta do governo -do atual e de outros- e teve suas reivindicações atendidas.

No aguardo

Em um cenário atual totalmente avesso, com capacidade instalada equivalente ao dobro da demanda interna, a ausência de confronto aberto do setor automotivo com o Poder Executivo indica que já se espera a troca de comando em Brasília. A indústria não quer se indispor, prefere aguardar o desfecho.

FacebookTwitterGoogle+WhatsApp

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *