Metalúrgicos da Sogefi rejeitam proposta e entram em estado de greve

Os metalúrgicos da Sogefi, de Jarinu, realizaram assembleia na tarde desta segunda-feira (20) para analisar a proposta da diretoria da empresa para o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) 2016. Por unanimidade, os funcionários rejeitaram a proposta, colocada em votação sob a liderança do Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba e Região, que amanhã estará protocolando na empresa a carta de greve, que deve ser deflagrada, mantendo-se o impasse, em 48 horas após a notificação.

IMG-20160620-WA0020 IMG-20160620-WA0021 IMG-20160620-WA0022 IMG-20160620-WA0030 IMG-20160620-WA0034

Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba e Região, Igor Tiago Pereira, a proposta da empresa era a de cancelar o auxílio moradia concedido em acordo firmado junto aos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, quando da mudança da indústria para Jarinu.

“A proposta é absurda, pois está em desacordo com tudo o que foi assinado em acordos anteriores. Não podemos aceitar que nossa categoria saia fragilizada após o corte de um direito dos metalúrgicos. Por isso propusemos a rejeição da proposta, aceita pelos 400 metalúrgicos que trabalham na Sogefi”, destacou Tiago Pereira.

Segundo o presidente dos Metalúrgicos de Itatiba e Região, a empresa já tinha ganhado na justiça a redução da PLR de R$ 5.400,00 para R$ 3.200,00, “e agora ainda querem retirar o auxílio moradia de R$ 700,00 concedido por 24 meses, ou mesmo diluir o PLR no Vale Refeição, o que a nosso ver está fora de cogitação”, destacou.

A Sogefi é uma multinacional com sede na Itália, e líder mundial em fornecimento de peças originais para a indústria automotiva, com mais de 30 anos de experiência e presença em 21 países, em 4 continentes, com 42 unidades de produção e 16 escritórios comerciais.

“A empresa tem robustez, é sólida, e está trabalhando a todo o vapor, com três turnos. Então não dá para alegar que a crise econômica brasileira tenha afetado assim, de forma tão profunda, seus balanços. Por isso não admitimos quebra de acordos e retirada de direitos. Vamos brigar pela manutenção dos benefícios”, finalizou Tiago Pereira.

FacebookTwitterGoogle+WhatsApp

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *