Mais de 132 mil trabalhadores foram demitidos das indústrias, diz Fiesp

 

Nesta quinta-feira (16) a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) divulgaram que a situação do desemprego ainda é preocupante na indústria. O mês de janeiro de 2017 contratou menos do que em dezembro de 2016, e trouxe uma taxa negativa de 0,24%.

Por outro lado, se o balanço desconsiderar o ajuste sazonal, os valores da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo sobem para o saldo positivo de 0,31%. A apuração é elaborada mensalmente pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp e do Ciesp e tem como objetivo identificar a situação empregatícia da indústria paulista, que ainda está em alerta com o desemprego .

montadora

O resultado positivo é derivado das mais de 6,5 mil vagas de emprego geradas na indústria do estado de São Paulo. Além de ter 500 vagas a mais que abril de 2015, último resultado negativo.

Variação anual

Já no comparativo entre janeiro de 2017 e de 2016, a variação foi negativa ao chegar a queda de 5,73%. Os números podem parecer baixos, mas resultaram na demissão de mais de 132 mil trabalhadores no período de um ano.

O presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, está otimista com os dados. Ele explica que 68% dos setores acompanhados pelas instituições mostraram crescimento. Para o presidente, isso é um sinal de que logo será retomada a geração de novos empregos.

O maior destaque foi para os produtos de borracha e de material plástico, que criou 1.969 vagas. Logo em seguida, vem o setor de artigos de vestuários e acessórios, com 1.742 postos de trabalho.

Comércio

Outro balanço divulgado nesta quinta-feira (16) foi a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP).

De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), o ano de 2016 fechou com queda de 2,2% de empregos formais no setor.

Somente nos últimos dois anos, a Federação apurou que mais de 107 mil empregos formais foram extintos no setor do comércio varejista.

Ao todo a FecomercioSP pesquisou nove atividades, e apenas supermercado e farmácias e perfumarias registraram alta no número de empregos, na comparação entre janeiro de 2016 e 2015. As categorias foram responsáveis pelo crescimento respectivo de 0,6% e 2,3%.

O desemprego, por outro lado, foi impactante nas concessionárias de veículos, que teve baixa de 6% e nas lojas de móveis e decoração, com retração de 5,1%.

Fonte: Brasil Econômico – Extraído de Economia – iG

FacebookTwitterGoogle+WhatsApp

Você pode gostar...